"Vou à Bahia porque, se alguém fez o impossível para eu sair do país, foi Dado Galvão. Desde que filmou uma entrevista comigo em Havana, ele tem sido incansável. Mesmo quando me faltava esperança, ele a mantinha" YOANI SÁNCHEZ - FOLHA DE SÃO PAULO

Uma câmera na mão, uma ideia na cabeça e uma missão a celebrar!

 

O Cineasta Dado Galvão é o entrevistado de hoje do programa Talentos da Nossa Gente e vai falar sobre suas produções e os desafios para conseguir retratar a vida e os acontecimentos por meio das lentes de sua câmera.

Conteúdo TV Jequié, nov/21

Seres humanos são INUMERÁVEIS!


Diante das mazelas sociais e econômicas visivelmente escancaradas pela Pandemia no Brasil, é necessário e muito importante reafirmar. Não $omo$ Apena$ Número$, Somos Seres Humanos. INUMERÁVEIS! 

Para nossa reflexão, assista ao vídeo minuto do documentarista Dado Galvão, realizado com a participação voluntariaria dos frequentadores do Centro de Abastecimento Vicente Grilo de Jequié - Bahia.

 

maio/2020

Troféu Quarentena Festival Permanente do Minuto: “Urbi et Orbi”. (“À cidade de Roma e ao mundo”).

Papa Francisco no dia 27 de março de 2020, com a Praça de São Pedro vazia

“Urbi et Orbi” significa (“à cidade de Roma e ao mundo”). Esse é o nome do vídeo minuto do documentarista Dado Galvão, que concorre ao Troféu Minuto Quarentena do Festival Internacional Permanente do Minuto.

O vídeo de um minuto de duração tem linguagem documental, com uma mensagem de fé ecumênica e esperança, inspirado na Bênção extraordinária Urbi et Orbi, concedida pelo Papa Francisco no dia 27 de março de 2020, com a Praça de São Pedro vazia, devido à atual pandemia de coronavírus (COVID-19). Todos os anos, o rito é celebrado no dia de Natal e no dia da Páscoa, as maiores festas cristãs. Além dessas datas, a bênção é concedida no dia da eleição de um novo Papa, logo após o resultado do Conclave.

Em 2016, Galvão foi premiado pelo Festival do Minuto em parceria com a ACNUR (Agência da ONU para Refugiados), com o vídeo "Ninguém fica defora"/ "Nobody left outside".

O nome dos vencedores do Troféu Minuto Quarentena será divulgado em agosto de 2020.


abril/20

Nossa colaboração em forma de reflexão para SIGNIS: Uma Igrej@ eletrônica em dias de coronavírus.


abril/20

MERCOSUL: Venezuela, refugiados, democracia

No exercício da cidadania MERCOSUL, perguntei ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, na audiência pública realizada (5/3) pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal. 

1- Como está sendo tratada pelo Brasil no âmbito do MERCOSUL a diáspora de refugiados venezuelanos? 

2- O presidente Guaidó também é reconhecido pelo bloco?


Nesta semana completaram-se 10 anos da morte de Zilda Arns no Haiti.


A igreja Católica é reconhecida, inclusive por boa parte dos seus detratores, como uma das instituições que mais agem no planeta para combater a fome, particularmente entre as crianças. Além de instituições como a Cáritas, com presença mundial, e congregações religiosas integralmente dedicadas ao cuidado dos mais necessitados por amor a Deus, como as Missionárias da Caridade de Santa Teresa de Calcutá, um dos exemplos mais conhecidos mundo afora vem do Brasil: a Pastoral da Criança, fundada pela médica sanitarista católica Zilda Arns Neumann. As iniciativas dirigidas pela irmã do cardeal dom Paulo Evaristo Arns, falecida em 2010 durante o histórico terremoto que devastou o Haiti, foram responsáveis por uma redução drástica da mortalidade infantil em todas as áreas onde foram implantadas – usando com eficiência um mínimo de verba e recorrendo a meios muito simples, acessíveis e efetivos, como a multimistura e o soro caseiro.

Neste mês, a trágica morte da médica, pediatra e sanitarista que dedicou a vida às crianças e aos mais pobres completou já 10 anos. 

*Foto: A médica, pediatra e sanitarista católica, fundadora da Pastoral da Criança, morreu no terremoto que devastou o Haiti em 2010. Zilda Arns esteve em Jequié/Bahia, em 26 de março de 2009, para o lançamento do documentário A Grande Moeda, produzido pelo documentarista Dado Galvão. O filme tem participação especial da pediatra missionária e mostra o cotidiano dos voluntários da Pastoral da Pastoral da Criança em cidades da Diocese de Jequié.

O terremoto de 7 graus na escala Richter, que praticamente destruiu o Haiti, aconteceu no dia 12 de janeiro de 2010, por volta das 17h locais (20h no Brasil). Dona Zilda estava na escada de acesso ao segundo andar de um prédio de formação pastoral da Igreja em Porto Príncipe, a capital haitiana. 

E ela estava lá justamente porque prolongou o tempo inicialmente previsto para atender as pessoas no local. Sua palestra deveria ter acabado às 16h30, mas se estendeu porque dezenas de religiosos presentes continuaram apresentando perguntas sobre como iniciar os trabalhos de combate à desnutrição infantil por meio da Pastoral da Criança. Era para isso, aliás, que dona Zilda estava no mais pobre dos países das Américas naquele dia. Mesmo após a sessão extra de perguntas, ela ainda permaneceu no terceiro andar do prédio para atender individualmente alguns padres que queriam mais informações e intercâmbios de experiências. 

Quando finalmente estava prestes a sair, acompanhada pela irmã Rosângela Altoé e pelo pe. Willian, coordenador do centro de formação, o abalo sísmico a fez perder o equilíbrio quando já se dirigia às escadas. 

O corpo de dona Zilda Arns Neumann foi encontrado na manhã seguinte graças à ajuda direta do pe. Willian, que, mesmo sob choque, pôde apontar o local exato em que ela estava no momento da tragédia. Foram os soldados brasileiros em missão de paz no Haiti que descobriram os pés da médica ao retirarem escombros do local. 

Ao saber da morte da irmã, o cardeal dom Paulo Evaristo Arns, que fora arcebispo de São Paulo de 1970 a 1998 e que faleceria em dezembro de 2016, declarou que, quanto mais refletia sobre o exemplo de Zilda em seu trabalho pelas crianças e pelas mães pobres, mais constatava que “a esperança nasce com a pessoa humana e se realiza plenamente no Deus-Criador. Sinto que foi e é esse o sentido da vida e ação da doutora Zilda“. 

Dona Zilda Arns teve seis filhos e dez netos. Ela acabou sendo também a “mãe” de um dos netos, Danilo, depois que a mãe dele e filha dela, Silvia Arns, morreu num acidente de carro em 2003.


O Supermercado Brasil e a Casa Comum.


Na Semana de Oração pela Unidade Cristã - SOUC, nossa colaboração em forma de reflexão, partilhada pelo CONIC - Conselho Nacional de Igrejas Cristãs. O Supermercado Brasil e a Casa Comum. (Leia aqui)

Rodas da Liberdade


A história de superação da pedagoga e cadeirante Andréa Correa, que mora no município de Jequié, no centro-sul baiano, é retratada no documentário ‘Rodas da Liberdade’, dirigido pelo cineasta baiano Dado Galvão. 
“Nasci com uma deficiência chamada osteogênese imperfeita, caracterizada por ossos frágeis, conhecida como ossos de vidro. Desde criança, tive muita dificuldade de locomoção, não só por não conseguir andar, como também pelos problemas impostos pela própria deficiência. Devido à fragilidade óssea, era necessário muito cuidado para me locomover”, relata a protagonista de “Rodas da Liberdade”. 

Segundo Galvão, o documentário é uma reflexão sobre determinação, superação, coragem, inclusão, trânsito, mobilidade e bicicletas. 

“Foi em uma cotidiana pedalada noturna pelas ruas de Jequié, que o documentarista e ciclista Dado Galvão, conheceu a pedagoga. Da abordagem feita no trânsito, para tirar uma foto, nasceu Rodas da Liberdade”, lembra o cineasta.

Veja o documentário


BNews, maio de 2019 

Uma ditadura ao norte do Brasil, por que o silêncio?

Na Foto: Miguel Blanco, venezuelano, 28 anos. 
Fotografou: Álvaro Ybarra Zavala, ABC/internacional

Intelectuais brasileiros, autoproclamados “progressistas”, artistas humanitários, veneradores da propensa divindade-alma mais santa do Brasil, donos do monopólio da defesa dos pobres e oprimidos. Mirem ao norte do Brasil, queremos saber o que pensa vocês, por favor, só não vale repetir o velho e vencido discurso, é culpa do império! Estão de olho no petróleo! Conspiração da CIA! Invenção da mídia golpista! etc...


Abril/2019 www.DadoGalvao.org

Missão Ushuaia, Venezuela: Bandeira assinada vira símbolo da resistência à ditadura Maduro.


Assinaram a bandeira o então deputado Juan Guaidó, hoje presidente encarregado da Venezuela, Leopoldo López (preso politico), Lilian Tintori, Maria Corina Machado, refugiados venezuelanos que vivem no estado da Bahia e no Uruguai, parlamentares do Mercosul, e até mesmo o sambista Martinho da Vila.  (continue lendo) 



Dias 1 e 2 de maio, a bandeira abaixo-assinado do Mercosul, será levada para Boa vista e Pacaraima, no estado de Roraima, onde refugiados e migrantes venezuelanos poderão deixar sua mensagem na bandeira. (Continue lendo)

www.MissaoUshuaia.org  março/2019.

O legado: memórias de um passado presente, Brasil-Venezuela.

Dado Galvão, Pacaraima/RR, fronteira Brasil-Venezuela, maio/2018, gravações para documentário e entrega de cartas para refugiados venezuelanos. Foto: Arlen Cezar/Missão Ushuaia, Venezuela.




25 de fevereiro de 2019